HUANA realiza três captações de órgãos seguidas durante o mês de julho

HUANA realiza três captações de órgãos seguidas durante o mês de julho

Número de doações permitirão que pacientes nas mais diversas localidades tenham a chance de uma vida melhor. Famílias de pacientes que evoluíram a óbito foram fundamentais nesse processo, ao assinarem termo de consentimento para que seus entes queridos pudessem fazer o bem, mesmo em meio a um contexto de luto e tristeza. Cada captação realizada pode envolver até 100 profissionais, que atuam nas mais diversas localidades do Brasil, em um trabalho que exige sincronia para que os órgãos captados cheguem a tempo no destino.


Durante o mês de julho, O HUANA realizou 3 captações de órgãos seguidas. No dia 14 de julho, foi realizada a captação de rins em um homem de 48 anos. Já no dia 15, uma mulher de 46 anos se tornou doadora de rins e fígado. Uma terceira captação foi realizada em 16 de julho (quinta-feira). Trata-se de um homem de 33 anos, que doou o coração, dois rins e o fígado.


“Expressamos aqui nosso agradecimento a todas as famílias que aceitaram a realização da doação dos órgãos dos seus entes queridos, que infelizmente evoluíram a óbito, mas não deixaram de abençoar outras vidas”, destaca o Diretor Executivo da Funev/Huana, João Pedro dos Santos Pereira.


Renato Pereira de Souza, Gerente Administrativo do Hospital de Urgências de Anápolis Dr. Henrique Santillo, destacou que o número de captações foi expressivo: “é um momento de muita emoção. A última captação de coração havia sido realizada há dois anos na instituição. Muito importante vivenciar a transformação de um momento de luto em ato de generosidade em benefício de outras pessoas”.


Emoção

O médico Ronaldo Honorato Barros dos Santos, cirurgião transplantador e cirurgião cardiovascular do Instituto do Coração de São Paulo (Incor) foi responsável pela captação de coração realizada no dia 16 de julho. “Contamos com o apoio de seguramente 100 pessoas, a começar o pessoal da terapia intensiva aqui do hospital de Anápolis (Huana), a Secretaria de Saúde do Governo do Estado de Goiás, a Secretaria de Saúde do Governo do Estado de São Paulo, o Sistema Nacional de Transplante e a Força Aérea Brasileira”, citou.

“Hoje (16) foram beneficiados ou poderão ser beneficiados, em uma captação dessa, que nós falamos de múltiplos órgãos, um receptor de coração, um receptor de fígado, dois receptores de rim, isso sem contar córneas e outros tecidos que poderiam ser utilizados e que poderão beneficiar outros receptores”, explica.


Ele falou ainda sobre a importância da doação: “o recado que eu gostaria de passar é que, a despeito do momento que nós vivemos, particular e em toda a sociedade, na medicina, mundialmente, as pessoas continuam precisando de transplantes. Precisamos de órgãos para transplantes. Doem seus órgãos”. O médico Ronaldo Honorato Barros dos Santos deu destaque à estrutura do Huana e pontuou que a instituição possui condições de realizar captações com a segurança necessária.

O médico Edmond Le Campion, cirurgião de fígado, foi responsável pela captação do fígado e dos rins realizada no dia 16 de julho (quinta-feira) no Huana. “Graças à sensibilidade da família, que autorizou, após o diagnóstico de morte encefálica… removermos os órgãos para ajudarmos inúmeras famílias”.

OPO

O Hospital de Urgências Dr. Henrique Santillo é uma das três instituições do Estado de Goiás que sedia uma Organização de Procura de Órgãos no Estado de Goiás (OPO), estabelecida de acordo com critérios do Ministério da Saúde. A OPO, por sua vez, atua de maneira cooperativa com a CIHDOTT – ambas são corresponsáveis pelo desempenho da rede de atenção à doação na sua área de atuação.

A OPO localizada no Hospital de Urgências Dr. Henrique Santillo atende a toda a região de abrangência do Huana e exerce a logística de procura de doadores e articulação com as equipes médicas na identificação de potenciais doadores. Um dos objetivos é assegurar que o processo seja ágil, eficiente e dentro dos parâmetros previstos na Resolução 2.173 do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Entre as ações estabelecidas estão ações para a manutenção dos pacientes para a captação dos órgãos e tecidos que serão destinados à transplantes. “É um de seus papéis promover a conscientização da população quanto à importância da doação e capacitar multiplicadores sobre acolhimento familiar e demais aspectos do processo de doação/transplantes”, como explica a coordenadora da OPO, enfermeira Nathália Mendonça.

A enfermeira Vanessa Lobo, coordenadora da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes do Huana, explica que “no processo de doação de órgãos e tecidos, todas as condições clínicas do possível doador são avaliadas. É verificada a viabilidade dos órgãos a serem extraídos e a família passa por uma entrevista que visa a elucidação de todo o processo, acolhimento e apoio à família antes do consentir a doação”. O Huana é a única instituição de saúde da Regional de Saúde Pireneus – Macrorregião Centro-Norte dentro da qual está instalada uma Organização de Procura de Órgãos.

MATÉRIA: FELIPE HOMSI E HARIANE RODRIGUES

FOTOS: FELIPE HOMSI